Como e por que estar a par das várias tecnologias atuais?

Quando falamos de tecnologia atual, a primeira pergunta que se apresenta é: “Mas o que é a tecnologia atual hoje?”. Cada dia uma tecnologia nova é criada, alguns meses depois ela já pode ser encontrada nas nossas casas, mais alguns anos e está obsoleta. Então como é possível estar a par do ápice da tecnologia hoje?

Muito se fala da revolução da informação, mas pouca gente parou para pensar o que isso realmente significa. Alguns séculos atrás, alguém que sabia química, sabia também medicina, sabia matemática e também astronomia. Se lembrarmos da escola, muitos cientistas eram citados em mais de uma disciplina escolar. Isso não acontecia apenas porque eram gênios, mas sim porque o conhecimento humano sobre as ciências era bastante pequeno e por isso dava para saber de tudo. Mas com o passar do tempo, cada área do conhecimento foi evoluindo tanto que não era mais possível saber tudo sobre a medicina e sobre a química, assim, essas áreas se separaram.

Imagem de diversos médicos de lado a lado indicando diversos profissionais de diferentes especialidades.
Diversas especialidades dentro de uma área

Hoje, temos tanto conhecimento sobre tantas coisas, que mesmo dentro de uma área temos que subdividir em especialidades (temos um cardiologista que sabe coisas que um oftalmologista não sabe e vice-versa). Por isso, cada especialista entende muito de sua área apenas e é difícil encontrar alguém que entenda de muitas coisas. Para se ter ideia, você sabia que o volume de dados criado nos últimos dois anos é maior do que a quantidade produzida em toda a história da humanidade? [1] Falando da tecnologia, alguém que entende de programação, geralmente não entende nada de eletrônica. Já alguém que entende de impressão 3D, não entende robótica. E assim por diante.

Mas para quê entender de muitas coisas?

Muitas vezes a inovação e a invenção vêm de enxergar uma relação entre coisas que inicialmente não eram relacionadas. Você sabia que o trem bala tinha um problema de aerodinâmica que só foi resolvido quando um de seus engenheiros, que também era observador de pássaros, se inspirou no bico de uma ave (o Martim-pescador) para fazer a frente do trem? O velcro também foi criado assim.[2]

Foto da frente de um trem bala ao lado de um Martim-pescador demonstrando a semelhança entre o bico do pássaro e a frente do trem.
Trem bala e Martim-pescador

Perceba a importância de ter conhecimentos diferentes, que aplicados juntos, criam soluções incríveis. Diferente de misturar design de trem com bico de pássaros, que têm origens bem diferentes, dentro da tecnologia, tudo vem da mesma origem. A programação via software veio da computação que veio da eletrônica. A impressão 3D veio da eletrônica, mecânica e computação. A robótica veio da mecânica, da eletrônica e da computação. E diversas outras tecnologias vêm dessas bases e continuarão vindo. Mas por cada área ter se aprofundado tanto, as pessoas deixaram de entender mais de uma delas. Mas diferente da medicina, onde se pode ser especializado em um segmento que a evolução da espécie vai demorar a alterar, a tecnologia muda todo dia. E o mais interessante é que toda mudança sempre está baseada na mistura das áreas-base. Se considerarmos as maiores tendências atuais (início de 2019) na tecnologia e vermos como se relacionam com as áreas de programação, eletrônica, robótica e prototipagem, vejamos…

  • Inteligência Artificial – Programação
  • Big Data – Programação
  • Internet das Coisas (IoT) – Programação, eletrônica e prototipagem
  • Automação Residencial – Programação, eletrônica, robótica e prototipagem
  • Drones – Programação, eletrônica e robótica
  • Carros autônomos – Programação, eletrônica e robótica
  • Realidade Virtual – Programação, eletrônica e prototipagem

Mas será que é possível aprender tudo isso?

Aqui que é o grande X da questão. A pergunta não é se dá para aprender, mas o quanto aprender! Para dominar toda a eletrônica, é preciso fazer engenharia eletrônica por 5 anos e ainda tem coisas novas que aparecem no meio do caminho. Para aprender a programação, nem a faculdade de 5 anos é capaz de ensinar todas as formas de programar já que existem inúmeras variações. Já a robótica, nem faculdade existe. Vamos lembrar do início… Um médico de hoje, não tem como dominar todas as especialidades da mesma forma que um médico em 1600 dominava. E nem adianta tentar estudar tudo porque ele precisaria de uns 200 anos. Na tecnologia é bem parecido. O segredo está em aprender um pouco de cada área de modo que você possa interligar as diferentes tecnologias, os diferentes conhecimentos. Igual ao trem bala com o bico do passarinho.

Nuvem ao centro com diversos equipamentos eletrônicos conectados a ele  ao seu redor.
Integração das diferentes tecnologias

Uma vez que você domine todo o básico, na hora que tiver que ou quiser executar um projeto, você saberá usar o que necessita de cada área. E o que não souber, você já possui a base para se aprofundar mais na área que for necessária. Ou seja, o conhecimento hoje é tão vasto, que não tem mais como ter domínio total sobre tudo. Você tem que dominar a base, e aprender mais sobre o que for necessário.

Saber toda essa base, é um dos exemplos do que podemos chamar hoje de ser maker. Ou seja, ser maker é ser capaz de trabalhar com eletrônica, programação, robótica, impressão 3D e com bico de passarinho se for preciso!

[1] https://forbes.uol.com.br/fotos/2015/10/20-fatos-sobre-a-internet-que-voce-provavelmente-nao-sabe/#foto1

[2] https://www.tecmundo.com.br/ciencia/12821-5-tecnologias-inspiradas-pela-natureza.htm

Luciano Netto
Diretor de Relacionamento da Umaker

3 comentários


  1. Muito bom. Gostei das comparações. 1 abraço.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *